Posts

Fundo de Quintal se apresenta na feijoada de Dia das Mães da Mangueira

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 29/04/2017


 

Após vinte anos, o grupo Fundo de Quintal volta a se apresentar na quadra da Mangueira. A apresentação acontecerá na feijoada do dia 13 de Maio, na edição especial do Dia das Mães.

Além da apresentação do Fundo de Quintal, também se apresentam a Velha Guarda Musical da Mangueira, o grupo Art Junior, Chacal do Sax, intérprete e a bateria da Mangueira.

Os ingressos já estão à venda na secretaria da quadra da escola, de segunda a sexta, das 9h às 17h.

Data: 13 de maio de 2017
Horário: a partir das 13h
Local: Quadra da Mangueira
Endereço: Rua Visconde de Niterói, 1072

INGRESSOS: 
- ANTECIPADOS (a partir de seg. dia 24/04)
1º Lote R$25,00 (Promocional e Limitado)
2º Lote R$30,00 (Limitado)
na Secretaria da Quadra de Segunda a Sexta das 9h às 17h.
- NO DIA
Valor: R$ 40,00
A partir de 12:30 – Direto na Bilheteria

CAMAROTES: R$ 1.000,00 (Camarote localizado na lateral da quadra para 10 pessoas com entradas e feijoadas inclusas)

MESA VIP: R$ 500,00 (Mesa localizada em area reservada em frente ao palco para 4 pessoas com entrada e feijoada inclusas)

MESA COMUM: R$ 50,00 (Por ordem de chegada, não fazemos reservas)

FEIJOADA (Prato) – R$ 20,00 (A feijoada é servida até às 16h)

Informações e Reservas: (21) 2567-3419 Whatsapp – (21) 97255-0076

Fonte: www.mangueira.com.br
 


Portela recebe Mariene de Castro em Feijoada do dia 6 de Maio

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 29/04/2017

Feijoada da Família Portelense receberá Mariene de Castro no dia 6 de maio
Foto: Leandro Pagliaro / Divulgação

 

A cantora Mariene de Castro será a convidada especial da edição de maio da Feijoada da Portela, que acontecerá no próximo sábado dia 6 de Maio em sua quadra em Madureira. Além da presença da Velha Guarda da Portela, também participará do evento a bateria Tabajara do Samba e demais segmentos da escola.

A programação será aberta pelos grupos "Na Linha do Mar" e "Tempero Carioca". Em seguida, a Velha Guarda da Portela sobe ao palco para lembrar clássicos do samba.

Reconhecida como uma das mais importantes cantoras da atualidade, a baiana Mariene de Castro, que também brilhou como atriz na novela "Velho Chico", promete fazer um passeio pelos sucessos que marcaram seus 16 anos de carreira.

Outra grande atração será Chacal do Sax, que sempre levanta a multidão com o melhor do samba, MPB e marchinhas.

O encerramento vai ser com o elenco da Portela, reunindo ritmistas da Tabajara do Samba, o intérprete Gilsinho, passistas e o casal de mestre-sala e porta-bandeira Marlon Lamar e Lucinha Nobre.

A entrada antecipada custa R$ 20 (primeiro lote). No dia do evento o preço sobe para R$ 25, mesmo valor do prato de feijoada. Mesas com quatro lugares são vendidas por R$ 140 (já com quatro ingressos), enquanto o camarote para 15 pessoas sai por R$ 650 (inferior) ou R$ 800 (superior). A quadra da Portela fica na Rua Clara Nunes 81, em Madureira. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3256-9411.

Data: Sábado, dia 6 de Maio/2017
Horário: A partir das 13h
Local: Quadra da Portela
Endereço: Rua Clara Nunes 81, Madureira
Preços: R$ 20 (primeiro lote antecipado limitado); R$ 25 no dia do evento; Prato da feijoada: R$ 25
Classificação etária: Livre
Informações: (21) 3256-9411
Bilheteria da Portela: de segunda a sexta, das 8h às 17h
Vendas online http://www.ingressocerto.com/feijoada-da-familia-portelense-edicao-de-maio-p149955

OBS: Sócio-Torcedor do plano Majestade do Samba não paga entrada e ainda ganha o prato de feijoada

 


Musa do Empolga às 9 diz que bloco resgatou ela para carnaval

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 10/02/2017

Juliana Fernandes era uma adolescente que ficava longe da folia, mas o Empolga a trouxe de volta para carnaval. Editora de vídeos entrou para a banda do bloco e fez inúmeros amigos.
 

 

Juliana Fernandes é carioca da gema, como ela se descreve, e aos 32 anos irá representar o Empolga às 9 no concurso de musas dos blocos. Uma oportunidade com muitos motivos para ser especial, um deles é que o Empolga a trouxe de volta para a folia. Entre altos e baixos, a editora de vídeos revelou que foi uma criança que adorava bailes de carnaval e uma adolescente que resolveu se distanciar das festas, mas o bloco do coração resgatou essa relação.

Eu acho que a minha relação com o carnaval começou por eu ser carioca, desde pequena eu ia para baile de carnaval toda fantasiada, meus pais sempre gostaram de carnaval. Eu sempre participei do carnaval de rua, já fui ver desfile de escola de samba na Avenida e quando fui crescendo, eu acabei me distanciando quando eu era adolescente. Eu fiquei um tempo afastada. Quando eu entrei para o Empolga que eu voltei a ter contato com o carnaval dessa forma. Antes do empolga, eu era uma espectadora e depois do bloco empolguei de fato, disse.

Por causa de um primo, que tinha aula de percussão na oficina do Empolga às 9, Juliana decidiu participar do grupo. O tempo passou, ela fez vários amigos, entrou para a banda e se apaixonou. Uma novidade foi a quantidade de pessoas com quem ela passou a se relacionar: se antes ela fazia parte do grupo dos poucos e bons, após o Empolga ela aderiu ao somos uma grande família.

Eu entrei para a oficina de percussão do Empolga em 2012 porque um primo meu fazia aula lá e eu acabei conhecendo por causa dele. Com um tempo eu evolui e hoje em dia eu sou da banda oficial do Empolga. Eu fiz muitos amigos lá depois que entrei na oficina. Eu acho que sempre fui uma pessoa que teve poucos amigos, era mais quieta e a primeira vez que eu tenho um grupo enorme de amigos é lá. A gente sai muito, sempre se encontra e todo dia a gente se fala. É bem legal, disse.


 

Ansiosa para desfilar no carnaval

O Empolga às 9 é um grupo que tem oficina de percussão, eventos variados, apresentações públicas e uma agenda de ensaios. Juliana Fernandes gosta de cada detalhe, mas não há momento mais importante para ela do que o desfile. Estar em cima do trio elétrico tocando para um “mar de gente é o momento mais prazeroso.

O mais emocionante do carnaval para mim é o desfile. Em Copacabana em 2016 foram quase 100 mil pessoas, aquele mar de gente. Quando a gente sobre no trio elétrico e vê aquele mar de gente se divertindo com a nossa música é muito emocionante. Dá um arrepio, é bem legal. Mas o Empolga é bom o ano inteiro. A gente faz amigos, a gente se une muito nas oficinas. É muito prazeroso, muito gostoso mesmo, disse Juliana.

 


 

Representar os inúmeros fãs do bloco é uma missão importante para a musa, no entanto não ser uma mulher padrãozinho foi o que mais Juliana gostou da sua candidatura. Além disso, ela ficou lisonjeada em ser escolhida com tantas meninas lindas no Empolga.

Quando os donos do bloco me perguntaram se eu queria vir representar, eu fiquei lisonjeada, claro. Lá tem meninas lindas e eles acabaram me escolhendo. Eu achei bacana porque eu não sou uma pessoa que segue o padrão de beleza não sou uma “mulher padrãozinha. Eu acho muito legal poder representar as mulheres comuns, você não precisa estar dentro do padrão opressor que a gente vive, de vestir 36 e de ser magrinha.Estou aqui representando as mulheres normais, eu acho isso bem legal. Carnaval é bem isso, bloco de rua é muito inclusivo e vale tudo para todo mundo.


 

Apaixonada cafona

Juliana Fernandes afirmou que acha que “se apaixonar é cafona”. No entanto, ela considera uma "coisa do bem" e ao mesmo tempo morre de amores pelo Empolga.

Eu não tenho uma paixão específica. Eu acho que se apaixonar é cafona, mas é uma coisa legal. É um cafona do bem, que todo mundo gosta. Eu poderia ser cafona e dizer que minha paixão é o Empolga, mas de fato é uma paixão na minha vida, uma prioridade na minha vida, disse.


 

A grande diferença do Empolga para os outros blocos é que nós somos um dos blocos que vieram de uma nova geração e que está aí até hoje. Hoje em dia, a grande diferença é que não somos um bloco temático. Nós tocamos de tudo um pouco, isso é uma diferença porque não somos segmentados. O Empolga tem uma preocupação em escolher músicas que não sejam tão batidas, algumas coisas mais de raiz e que acaba acolhendo todos, disse.
 

 

Fonte: G1.Globo

 





 

 

 

 


Imagens mostram briga durante bloco de pré-carnaval em Niterói, RJ

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 07/02/2017

Pelo menos cinco homens se envolveram na confusão. Os suspeitos trocam socos e chutes durante bloco de pré-carnaval.

 

 

Um vídeo divulgado nas redes sociais mostra o momento em que alguns foliões se envonlvem em uma confusão e trocam chutes, socos e pontapés uns com os outros, em Niterói, Região Metropolitana do Rio. A briga aconteceu durante um bloco de pré-carnaval em Gragoatá, na tarde de domingo (5).

Milhares de foliões acompanharam o trio do grupo 'Vou Zuar' pela orla da cidade. O grupo desfilou pela primeira vez, e levou pelo menos 15 mil pessoas à orla de Boa Viagem. Ao fim do desfile, foliões registraram brigas. Nas imagens, pelo menos cinco homens se envolveram na confusão.

De acordo com o comando do 12ºBPM (Niterói), os PMs não foram acionados para ocorrências durante o desfile do Vou Zuar, que faz parte dos blocos oficiais da Prefeitura de Niterói. Segundo a polícia, o policiamento foi realizado a partir de planejamento prévio.

Ainda de acordo com a nota enviada pela PM, na próxima quinta-feira (9), o comando do batalhão se reunirá com representantes da Secretaria Municipal de Ordem Pública de Niterói e entidades ligadas ao turismo da cidade, para um realinhamento de planos operacionais para a segurança da cidade durante os desfiles dos blocos.

Fonte: G1. Globo 


Em nome da clareza, Portela divulga justificativa de enredo para não perder ponto

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 06/02/2017

Em 2016, a escola perdeu ponto pois jurado achou que carro estava em setor errado. Paulo Barros diz que projeto de 2017 é bastante ousado, moderno, belo, porém, clássico.
 


 

Sim, vai ter muita água na Marquês de Sapucaí, como se espera de um enredo que fala de rios. Em três das seis alegorias, o precioso líquido estará presente. Mas segundo o carnavalesco Paulo Barros, os rios que a Portela vai apresentar têm muito mais para mostrar com o enredo “Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar.

E para que não paire qualquer dúvida de interpretação sobre o enredo em 2017, e deixar tudo claro como água, a justificativa que normalmente é apresentada aos jurados, para o carnaval de 2017 já foi publicada na íntegra, no site da Portela. Afinal, o décimo perdido em enredo, e que fez com que a escola ficasse em terceiro lugar, ainda está entalado na garganta do carnavalesco.

A gente entrega a justificativa do enredo para todos os jurados, explicando cada ala cada carro. Mas no ano passado um jurado tirou 0,1 da escola porque achou que uma alegoria deveria estar em outro setor, embora tudo estivesse explicado no enredo. Este ano, decidimos explicar para jurados e público tudo o que vai passar na avenida, disse Paulo Barros.

Para esfriar a cabeça e ter a tranquilidade necessária para desenhar figurinos e alegorias de carnaval campeão, Paulo Barros viajou para Orlando, nos Estados Unidos. E contou com o auxílio luxuoso do amigo e também carnavalesco Paulo Menezes. E este ano vai fazer um desfile, que considera um carnaval do tamanho que a escola comportas e sabe carregar.

 

 

Um carnaval bastante técnico, segundo o carnavalesco, com muito azul e branco como pede um enredo sobre rios, mas também com pontos de verde e laranja onde essas cores se fazem necessárias. Barros procurou manter suas características de carros com movimentos, mas desta vez não vai contar um dos traços mais marcantes de seus desfiles: as referências a filmes de cinema ou estrelas da música pop.

Por questões financeiras, que envolveriam uma grande dificuldade técnica, abri mão de representar o filme ‘A ponte do Rio Kwai’. A estrutura da alegoria teria de ser feita fora do barracão e o risco era muito grande. Mas estou fazendo, por exemplo, um dos projetos mais ousados no que se refere a técnica de engenharia hidráulica, que vão fazer a pista de esqui – que ele levou para a avenida em 2013, parecer fácil como tirar doce de criança . E brinca sarcasticamente: Este ano, o Thor voltou para Asgard e o Michael Jackson disse que este ano vai desfilar em outra escola.

Este ano o trabalho está sendo muito fácil para Paulo Barros, que além da crise financeira do país – e que, obviamente, impacta no carnaval – teve de lidar com a morte do presidente Marcos Falcon – e com a saída do coreógrafo da comissão de frente há pouco mais de um mês do desfile. Aliás, em nome da transparência no enredo, não faz mais nem mistério da comissão de frente.

Está na justificativa: é a piracema, fenômeno natural de peixes que nadam contra a correnteza para se reproduzir. É uma demonstração de força contra as adversidades. Projetei a comissão. A escola decidiu numa reunião que era necessário mudar o coreógrafo. Isso foi feito sem prejuízo para o projeto, explicou o carnavalesco, que do meio para o final do desfile preparou uma homenagem para Falcon, com quem teve um convívio curto, mas de amizade e apoio intensos.

Quando à maior expectativa sobre a águia, símbolo da escola, Paulo Barros é enfático: Ela virá à frente da escola, representando a Portela. Esteticamente mais arrojada, mais contemporânea, com movimentos e mantendo sua envergadura de 12 metros, que é o que cabe na avenida. Ela com uma estética moderna, porém, clássica. Bem ao estilo da Portela.



 

Fonte: G1.Globo 


 


 


Internado desde domingo, Laíla ainda não tem previsão de alta, no Rio

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 01/02/2017

Diretor de carnaval da Beija-Flor passou mal após ensaio técnico no Sambódromo. Ele está estável, mas continua em observação no CTI.


 

O Diretor de carnaval e um dos integrantes da comissão de carnaval da Beija-Flor de Nilópolis, Laíla, seguia, pelo quarto dia consecutivo, internado no Centro de Tratamento Intensivo do Prontocor, da Tijuca, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quarta-feira (1). Segundo o hospital, ainda não há previsão de alta.

Laíla passou mal no domingo (29), após o ensaio técnico da escola na Marquês de Sapucaí, no Centro. Ele foi diagnosticado com pressão arterial elevada. De acordo com a assessoria da escola, Laíla está bem e seu quadro clínico é estável.

Fonte: G1.Globo


Sonho concretizado, diz Ivete Sangalo em ensaio da Grande Rio na Sapucaí .

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 30/01/2017

Cantora baiana esteve pela primeira vez na avenida como protagonista e tema da escola de Caxias. Império da Tijuca e Beija-Flor também ensaiam.

 


 


A Cantora baiana Ivete Sangalo esteve na Marquês de Sapucaí, neste domingo (29), para seu ensaio técnico como protagonista e homenageada da Grande Rio. Tema do enredo da escola de Caxias, na Baixada Fluminense, Ivete se disse ansiosa para o primeiro contato com a comunidade da agremiação.

Eu estou de palpitação porque vai ser a primeira vez que vou ouvir a comunidade toda cantando o samba enredo na Sapucaí. É o começo de experimentar este turbilhão de emoções.

A Grande Rio é a última escola a ensaiar neste domingo e desfila o enredo Ivete do rio ao Rio, de Fábio Ricardo.

Não estou nervosa, estou emocionada de estar aqui, de isso estar acontecendo, de ter se concretizado este sonho. Muito agradecida por ser homenageada por essa escola de tradição que é a Grande Rio, disse Ivete.

A Império da Tijuca, escola da Série A, abre os ensaios deste domingo com o enredo O último dos profetas, do carnavalesco Júnior Pernambucano.



 

A Beija-Flor de Nilópolis também passa pela avenida e promete mostrar que o samba já está na ponta da língua de todos os integrantes da escola. O enredo da agremiação é A virgem dos lábios de mel – Iracema.

Os ensaios deste final de semana começaram no sábado (28). Passaram pela avenida a mais nova integrante da Série A, a Acadêmicos do Sossego, seguida de Acadêmicos da Rocinha e Acadêmicos de Santa Cruz.



 

Fonte: G1.Globo

 

 

 


Divulgada a lista de ambulantes sorteados para atuar no entorno do Sambódromo durante o carnaval

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 24/01/2017

Sorteio contemplou 300 CPFs – metade para preenchimento do cadastro de reserva. Primeiros 150 sorteados têm que entregar documentação nesta quinta-feira.
 

 

Foi divulgada nesta terça-feira (24) a lista dos sorteados para exercer comércio ambulante em 150 pontos fixos no entorno do Sambódromo durante o carnaval do Rio deste ano. O sorteio eletrônico foi realizado pela manhã e contemplou 300 CPFs – a metade irá compor cadastro de reserva.

De acordo com a Secretaria Municipal da Fazenda, a lista dos sorteados, disponível no site do órgão, serão publicada na edição desta quarta-feira (25) do Diário Oficial do Município. Os primeiros 150 sorteados precisam comparecer à sede da Coordenação de Controle Urbano com a documentação necessária, impreterivelmente, na quinta-feira (26).

Os documentos exigidos são original e cópia da carteira de identidade, CPF, comprovante de residência, comprovante de inscrição e uma foto colorida 3x4 do titular e se for o caso, de seu auxiliar. O órgão funciona na Rua Ministro Hélio Beltrão, 50, no Cidade Nova.

Para organizar o atendimento, a secretaria definiu que os candidatos sorteados do número 1 a 85 devem chegar ao local às 10h. Já os que ficaram entre os números 86 e 150 serão recebidos às 14h30. O não comparecimento dentro do horário previsto acarretará na eliminação do candidato.

Após a entrega dos documentos, o sorteado será convocado a participar de palestras educativas sobre postura municipal e higiene. Na ocasião, será entregue a guia para pagamento da Taxa de Uso de Área Pública (TUAP), Taxa de Inspeção Sanitária (TIS) e demais documentos necessários. O pagamento das taxas deve ser comprovado no início de fevereiro, nos dias 8 e 9, das 10h às 16h, na sede da Coordenação de Controle Urbano.

No dia 10 de fevereiro será publicada no Diário Oficial a relação dos candidatos excluídos do sorteio e a convocação dos que estão no cadastro de reserva, por ordem de classificação e de acordo com as vagas existentes.

Fonte: G1.Globo



 


Veja os enredos que as escolas da Série A do Rio vão defender no carnaval de 2017.

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 23/01/2017

As 14 escolas desfilam nos dias 24 e 25 de fevereiro. no Sambódromo. Somente a campeã da disputa irá desfilar no Grupo Especial, no ano que vem.



Homenagens, trajetórias de santos e orixás e as boas lembranças dos tempos de criança são alguns dos temas que serão apresentados pelas 14 escolas Série A, do Grupo de Acesso, no carnaval de 2017, na Marquês de Sapucaí, nos dias 24 e 25 de fevereiro. Somente a campeã da disputa vai desfilar no Grupo Especial, em 2018.

Campeã da Série B, a Acadêmicos do Sossego vai prestar uma homenagem a uma das maiores atrizes brasileiras, com o enredo “Zezé Mota, a deusa do ébano”, do carnavalesco Márcio Puluker. A escola vai contar um pouco da trajetória da atriz e relembrar seus sucessos no cinema, na TV, no teatro e na música.

A Alegria da Zona Sul vai cantar uma das grandes damas do samba e da MPB no enredo “Vou festejar... Com Beth Carvalho, a madrinha do samba”, do carnavalesco Marco Antônio Falleiros. A escola vai celebrar os 50 anos de carreira da cantora e compositora, na avenida.

Levando a sério o fato de que carnaval é tempo de brincar, a Unidos do Viradouro vem com um enredo bem divertido: “E todo menino é um rei”, do carnavalesco Jorge Silveira. A escola vai falar da infância, tomando como base a canção imortalizada por Roberto Ribeiro. A Viradouro vai convidar cada menino a tomar posse de seu trono no universo da fantasia.

A Império da Tijuca vai contar a história de São João Batista. Ou seja, “O último dos profetas”, do carnavalesco Júnior Pernambucano, que no sincretismo religioso é reconhecido na umbanda como Xangô. Deus da justiça, e também um dos santos mais celebrados no país, principalmente nas festas juninas.

O importante é ser feliz e mais nada. Esse é o recado que a União do Parque Curicica quer passar na avenida, de acordo com a ótica dos carnavalescos Leandro Mourão e Vítor Mourão. E para isso a escola vai revirar o baú de boas lembranças de um passado recente, como jogos, brincadeiras, programas de TV, livros e músicas dos tempos de criança.

A Estácio de Sá vai prestar sua homenagem ao cantor e compositor Gonzaguinha, criado no bairro de Ismael, com o enredo “É, o moleque desceu o São Carlos, pegou um sonho e partiu com a Estácio”. Os carnavalescos Chico Spinosa e Tarcísio Zanon vão lembrar a trajetória do artista e as influências que recebeu de seu pai, Luiz Gonzaga, o rei do baião.

A Acadêmicos de Santa Cruz vai propor uma viagem diferente: pelos livros da literatura infantil. É através das estórias e personagens, com o enredo “Vou levar somente o que couber no bolso e no coração… Uma viagem de sabedoria além da imaginação, imaginada pela da comissão de carnaval formada por Lane Santana, Munir Nicolau, Wladimir Morellembaum e que a escola quer encontrar as respostas e soluções para um mundo menos conturbado.

Outro grande homenageado na Série A é carnavalesco Viriato Ferreira. Sua obra e a genialidade de outros carnavais serão lembradas no enredo “No saçarico do Marquês, tem mais um freguês – Viriato Ferreira”, do carnavalesco João Vítor Araújo, que a Acadêmicos da Rocinha vai levar para a Sapucaí.

A Acadêmicos do Cubango vai lembrar outro grande cantor e compositor na avenida: João Nogueira, grande defensor do samba, ritmo que acaba de completar cem anos de amores e dissabores. A escola vai apresentar o enredo “Versando Nogueira nos cem anos do ritmo é nó na madeira”, do carnavalesco Lúcio Sampaio.

A Inocentes de Belford Roxo vai tentar conquistar a simpatia do público contando a histórias de carismáticos vilões de histórias em quadrinhos, lendas, livros, cinema e TV. E quer ver quem vai resistir ao charme de Macunaíma, por exemplo, o grande anti-herói brasileiro, com o enredo “Vilões – o verso do inverso”, de Wagner Gonçalves.

Com Meu quintal é maior do que o mundo, de Marcus Ferreira, a Império Serrano vai prestar uma homenagem ao centenário e à obra do poeta mato-grossense Manoel de Barros, que pertenceu à Geração de 45.

A Unidos de Padre Miguel vai falar da importância da preservação das matas e do poder de cura das ervas medicinais, através da história de um orixá, como enredo Ossain – o poder da cura, de Edson Pereira.

Um bilhete escrito numa garrafa e lançado ao mar dá início ao enredo O papel e o mar, de Raphael Torres e Alexandre Rangel, da Renascer de Jacarepaguá. A escola vai aproveitar o mote para contar a história de dois personagens históricos brasileiros. O “almirante negro” João Cândido, líder da Revolta da Chibata, e Carolina Maria de Jesus, uma das primeiras escritoras negras do país.

A Unidos do Porto da Pedra vai encerrar o segundo dia de desfiles da Série A na Sapucaí deixando um gostinho de quero mais. Com o enredo Ó abre-alas que as marchinhas vão passar, de Jaime Cezário, a escola vai lembrar antigos e festejar os atuais bailes de carnaval, embalados por marchinhas que fazem sucesso até hoje.

Fonte: UOL


Veja os enredos e sambas do Grupo Especial do carnaval do Rio em 2017

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 18/01/2017

Escolas falam de música, índios, fé e cultura africana. Desfiles serão nos dias 26 e 27 de fevereiro, no Sambódromo da Marques de Sapucaí.

Carnaval de 2017 no Rio tem de tudo um pouco: lendas, mistérios, histórias de amor e de fé. Alguns enredos guardam algumas semelhanças como a da Unidos da Tijuca e da Unidos de Vila Isabel, que falam a música, ou da Imperatriz Leopoldinense e da Beija-Flor de Nilópolis, que têm a cultura indígena como pano de fundo. As escolas do Grupo Especial desfilam nos dias 26 e 27 de fevereiro, no Sambódromo, no Centro da cidade.

A campeã de 2016, a Estação Primeira de Mangueira, este ano vai se apegar a santos, orixás e patuás num enredo que canta a fé do brasileiro para ter sorte na vida. E quem sabe, obter uma forcinha divina para chegar ao bicampeonato. A vice-campeã Unidos da Tijuca resolveu apostar na música norte-americana, e a Unidos de Vila Isabel também vai falar de música, mas com uma outra pegada: a influência do negro na música da Américas e do Caribe.

Que rufem os tambores. A União da Ilha do Governador vai mexer com o espaço e o tempo a partir de uma lenda de Angola. A África também estará presente do desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel, que vai cantar o Marrocos.

A Imperatriz Leopoldinense, através das 16 etnias que vivem no Parque Indígena do Xingu, vai pedir mais atenção e preservação da natureza. Os índios também marcam presença no desfile da Beija-Flor de Nilópolis, que tem enredo baseado no romance “Iracema”, de José de Alencar. Não faltarão índios, negros e europeus no desfile da Paraíso do Tuiuti, que vai homenagear o movimento tropicalista .

A Portela pretende arrastar componentes e público num turbilhão de emoções ao lembrar povos, hostórias e lendas nascidas às margens dos rios. A Acadêmicos do Grande Rio quer levantar poeira ao contar a história da cantora baiana Ivete Sangalo. Os antigos carnavais estarão presentes no desfile da Acadêmicos do Salgueiro, que vai se basear no poema “A divina comédia”, do italiano Dante Alighieri.

E a nobreza da corte de Luiz XIV, vai ser lembrada num episódio não tão nobre da história, como o caso de desvio dos tesouros da França pelo ministro das finanças para a construção de um palácio particular.


VEJA OS ENREDOS MAIS DETALHADOS E OS SAMBAS DAS ESCOLAS DO GRUPO ESPECIAL

Domingo ( 26 de fevereiro)

Paraíso do Tuiuti: "Carnavaleidoscópio tropofágico"

Acadêmicos do Grande Rio: "Ivete do rio ao Rio"

Imperatriz Leopoldinense: "Xingu, o clamor da floresta"

Unidos de Vila Isabel: "O som da cor"

Acadêmicos do Salgueiro: "A divina comédia do carnaval"

Beija-Flor de Nilópolis: "A virgem dos lábios de mel - Iracema"

Segunda-feira (27 de fevereiro)

União da Ilha do Governador: "Nzara Ndembu -glória ao Senhor Tempo"

São Clemente: "Onisuáquimalipanse"

Mocidade Independente de Padre Miguel: "As mil e uma noites de uma Mocidade prá lá de Marrakesh"

Unidos da Tijuca: "Música na alma, inspiração de uma nação"

Portela: "Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar"

Estação Primeira de Mangueira: "Só com a ajuda do santo"

Fonte:G1.Globo



 


Grupo Especial do carnaval de 2017 no Rio tem ordem de desfile definida

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 23/12/2016

Atual campeã, Mangueira encerra série de desfiles pelo segundo ano.Beija-Flor, campeã de 2015, fecha a primeira noite de desfiles.

 

Foi definida em sorteio realizado na noite desta segunda-feira (20), na Cidade do Samba, Zona Portuária do Rio, a ordem dos desfiles do Grupo Especial do carnaval carioca de 2017. A Mangueira, grande vencedora de 2016, será a última escola a pisar na avenida pelo segundo ano consecutivo.

Ficaram de fora do sorteio as escolas que abrem cada uma das duas noites de apresentações. Vencedora da Série A em 2016, a Paraíso do Tuiuti abrirá a noite de domingo. Já a União da Ilha, 11ª colocada no Grupo Especial deste ano, será a primeira a se apresentar na segunda-feira de carnaval.

Fonte: G1.Globo 

 


A partir de janeiro, Sapucaí recebe escolas de samba para ensaios técnicos

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 22/12/2016

Os ensaios técnicos das escolas de samba do Rio de Janeiro começam a partir de 15 de janeiro, de acordo com a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro).

 


 

A temporada começou na última quinta (15) com a apresentação da Paraíso do Tuiuti, que retorna ao Grupo Especial, União da Ilha e Império Serrano, esta pela Série A.

A Mangueira, campeã do Carnaval carioca 2016, fará o teste de luz e som da Sapucaí na noite de 19 de fevereiro, quando também acontecerá a tradicional cerimônia de lavagem da pista.

Veja abaixo a agenda completa de ensaios do Grupo Especial:

Janeiro


Dia 15 - Domingo

20h: Paraíso do Tuiuti

21h30: União da Ilha

Dia 22 - Domingo

20h: São Clemente

21h30: Mocidade

Dia 29 - Domingo

20h: Beija-Flor

21h30: Grande Rio

Fevereiro

Dia 5 - Domingo

20h: Vila Isabel

21h30: Salgueiro

Dia 12 - Domingo

20h: Portela

21h30: Unidos da Tijuca

Dia 18 - Sábado

21h30: Imperatriz

Dia 19 - Domingo

21h30: Mangueira

Esta programação pode sofrer mudanças.

Fonte: UOL


Arthur Franco treina técnicas de ópera para puxar o samba da Imperatriz, no Rio

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 21/12/2016

Cantor de banda e de corais, ele teve primeiro contato com samba em 2008.Ele comemora duas estreias: Como voz oficial da Imperatriz e num desfile do Grupo Especial, na Sapucaí.

 

Aos 48 anos de idade, Arthur Franco, se sente como um menino em sua primeira apresentação na escola. Afinal, ele está estreando como intérprete no Grupo Especial no carnaval de 2017. Ele vai ser a principal voz da Imperatriz Leopoldinense, na Sapucaí, no Rio.

Embora novato como titular, Franco, que já atuou como tenor, se prepara com técnicas de respiração e resistência que aprendeu na ópera, para levar a escola de Ramos às notas mais altas. Dos jurados, no desfile.

Tendo como inspiração o canto de outros intérpretes, como Jamelão, Haroldo Melodia, Wander Pires, Dominguinhos, a energia de Ito Melodia, da União da Ilha do Governador, e a alegria e domínio cênico de Emerson Dias, da Acadêmicos do Grande Rio, Arthur Franco tratou logo de criar a sua marca. Ou melhor, o seu grito de guerra.

Quando ouvirem: “Alô, família leopoldinense. Agora é no amor, na raça e no talento. Suinga minha bateria. Explode minha Imperatriz”, saibam que é Arthur Franco que está comandando o canto dos componentes da verde-e-branco de Ramos.

“É importante ter um grito de guerra para chamar a comunidade, empolgar os componentes, dar ritmo ao canto”, explica Franco.

O músico, que era tecladista e vocalista de uma banda que tocava em casas noturnas do Rio, já está na Imperatriz desde 2015. Primeiro, foi apoio de Nego, no ano seguinte, de Marquinho Art’Samba, no carro de som da escola.

Franco, que cantava rock e MPB com a banda, foi tenor da ópera “Carmen”, numa apresentação da Associação Cristã dos Moços (ACM) e regia os corais da Aeronáutica, Vox Intacta e o comunitário Vozes do Alto, desde 2009 vem se aprimorando em samba em escolas dos grupos de acesso.

E conta como, de repente foi da night para o samba, da ópera para o carnaval.

“Sempre aproveitava para viajar e descansar no carnaval. Em 2008, um amigo me pediu para ajudar a produzir um CD demo para disputar o samba da Mocidade de Vicente de Carvalho.

No dia da gravação, o cantor faltou e eu gravei o samba. O pessoal achou que minha voz era uma mistura de Rixxah e Wantuir e gostou. Fui convidado para puxar o samba naquele ano, mas não aceitei.

Os convites continuaram e eu recusava, recusava, até que no ano seguinte topei o desafio e puxei o samba da escola”, conta o intérprete, que ainda mantém o projeto pessoal Vozes do Alto, com moradores de comunidades do Alto da Boa Vista, na Zona Norte.

Daí, em diante, passar da banda à bateria foi um pulo. Em 2010, convidado por Jorginho do Império, foi apoio de Clemilson Silva, no Império Serrano. Nos dois anos seguintes foi puxador da Mocidade de Vicente de Carvalho, e em 2012 foi apoio na Renascer de Jacarepaguá.

Em 2013 voltou ao Império para ser apoio de Nego. No carnaval seguinte interpretou o antológico “Os sertões”, na Em Cima da Hora. Em 2015 ingressou no na Imperatriz, como apoio do intérprete oficial.

“Antes, não torcia por nenhuma escola de samba. Mas fui tão bem recebido, acolhido pela direção da Imperatriz, que virei torcedor. Mais do que isso, agora sou o intérprete oficial, pela primeira vez, de uma escola do Grupo Especial. E minha responsabilidade de manter o canto da escola é muito maior. Meu primeiro teste de fogo foi a gravação do CD das escolas de samba.

Agora, estou me preparando com uma fonoaudióloga, e aplicando técnicas de respiração que aprendi na ópera, para aguentar a hora e meia de desfile na avenida. Estou ansioso para entrar na Sapucaí e ajudar a Imperatriz a fazer bonito no carnaval”, diz Arthur Franco.

Fonte: G1.Globo

 

 


Rio mantém valor da subvenção para as escolas de samba

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 20/12/2016

Cidade vai dar R$ 2 milhões a cada escola de samba para carnaval 2017.Prefeitura diz que primeira parcela de 80% vai ser paga até o fim do ano.

 

Em meio a tantas incertezas financeiras – dificuldade de obter patrocínio, dólar em alta, crise financeira no estado, inflação – a notícia de que a Prefeitura do Rio vai manter o apoio financeiro para o desfile das escolas de samba em 2017, soa como samba aos ouvidos dos dirigentes das agremiações do Grupo Especial.
 

A administração municipal confirmou que o valor da subvenção é o mesmo do carnaval passado, de R$ 24 milhões, e 80% da cota destinada às 12 escolas será paga ainda durante a gestão de Eduardo Paes.

Isso quer dizer que, segundo a Riotur, os contratos com as escolas já estão sendo fechados e que nas próximas semanas elas já começam a receber os R$ 1,6 milhão de subvenção.

Os R$ 400 mil restantes serão pagos em 2017, após a prestação de contas das escolas da primeira parcela do repasse. E, segundo a pasta, ninguém precisa se preocupar com a mudança de governo, pois esses 20% restantes já têm com dotação orçamentária para isso, no ano que vem.

Como em 2015, o governo do estado não vai fazer qualquer repasse às escolas de samba, este ano. Enfrentando uma grave crise financeira, o governo também suspendeu em 2016 o pagamento da subvenção de R$ 6 milhões – valor que havia destinado para o desfile carnaval de 2015 – às escolas de samba.

O prefeito eleito Marcelo Crivella, em entrevistas após a eleição destacou a importância do carnaval e do desfile das escolas de samba para o turismo do Rio. Disse inclusive que iria estudar uma mudança de datas do repasse municipal para facilitar os preparativos do desfile.

Mas condicionou tudo isso à avaliação dos contratos e das dívidas da prefeitura que vai assumir em janeiro.

A Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) não informou se o patrocínio do governo federal dados às escolas através da Petrobras foi mantido ou não.

Fonte: G1.Globo

 

 


Tuiuti chega à elite do carnaval do Rio querendo deixar sua marca

 

Publicado em Carnaval do Rio, por Redação em 19/12/2016

Escola promete desfile colorido, brincalhão e cultural com enredo sobre tropicalismo.Ela segue os passos da madrinha Mangueira, mas homenagem está restrita a uma ala.

 

Uma escola vai abrir os desfiles do Grupo Especial, na Sapucaí, no domingo (26 de fevereiro). A outra vai encerrar as apresentações na segunda-feira (27 de fevereiro). A afilhada, a Paraíso do Tuiuti, tem como maior desafio vencer o preconceito que existe com as recém-chegadas à elite do carnaval.

 

E espera, na Passarela do Samba, seguir os passos de sucesso da madrinha, a Estação Primeira de Mangueira, campeã do carnaval de 2016, também no Grupo Especial.


 

Para isso, o carnavalesco Jack Vasconcelos – que garantiu o campeonato da Tuiuti na Série A, em 2016 – vai apostar nas características da escola, como um enredo alegre, para cima, colorido e com viés cultural. Com o enredo “Carnavaleidoscópio tropifágico”, espera fazer um grande desfile.

 

“A gente quer acabar com esse preconceito com a escola que vem da Série A. A gente sabe da dificuldade de conquistar notas altas sendo a primeira a desfilar, mas quer quebrar esse tabu. O enredo foi pensado para que a Tuiuti desfile do jeito que gosta, valorizando o chão da escola, que é muito forte.

Alas com passos marcados não funcionam muito. A gente vai ter liberdade para brincar na avenida”, calcula Jack.

 

 

O que não falta é afinidade entre afilhada e madrinha, escolas que nasceram em comunidades vizinhas – o Morro do Tuiuti fica atrás do Morro da Mangueira, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio. A Tuiuti levou 16 anos afastada do grupo de elite do carnaval carioca, enquanto a Mangueira teve de esperar 14 anos para voltar a ser a campeã do Grupo Especial.

A azul-e-amarelo e a verde-e-rosa também tiveram o mesmo carnavalesco, Júlio Mattos, que foi da Tuiuti de 1959 a 1971 e depois de 1987 a 1990, e da Mangueira, de 1963 a 1974, nos anos 1977 a 1979 e de 1986 a 1989.

Além disso, a Tuiuti tem para 2017 como primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marquinhos e Giovanna. Eles foram titulares da verde-e-rosa de 1995 a 2009. E por conta do enredo tropicalista a madrinha será homenageada numa ala. Mas não mais do que isso. A intenção da escola é conquistar posições por méritos próprios, sem apadrinhamento. Afinal, neste carnaval, as agremiações são concorrentes.

“Vamos lembrar Hélio Oiticica, que ajudou a consolidar o movimento tropicalista e que teve uma experiência artística muito forte, quando criou os ‘Parangolés’ (espécie de pintura viva e ambulante), vestidos por passistas da Mangueira. Mas procuro não levar em conta a pressão que é fazer uma homenagem à campeã do carnaval.

A Tuiuti não quer ser uma outra escola, ela quer representar ela mesma, com sua identidade própria.
Sofremos outro tipo de pressão, que é a de ter de mostrar um carnaval impactante, por estar no Grupo Especial e para chamar a atenção, já que a Tuiuti abre o desfile”, revela Jack, que define o enredo como uma grande alegoria sobre ser tropicalista.

 

 

Ele conta que o enredo visa brincar com a união das diferenças que formam esse caldeirão cultural brasileiro, um povo que absorve todas tendências, na música, nas artes, na moda, que não tem um biótipo característico, que junta o erudito e o popular.

“Vamos usar muitas cores. O desfile é um espetáculo que é visto à distância, que precisa causar emoções e o primeiro impacto é o visual. Fazer uma brincadeira com o tropicalismo é isso: brincar com cores, com essa mistura que forma o povo brasileiro, desde o descobrimento, quando se tinha índios em completa comunhão com a natureza e portugueses vestidos com veludos e brocados.

Vamos unir essas antíteses, mesclar animais e flora brasileira e coisas que normalmente não se misturariam. Vamos ter muitos efeitos visuais, para ajudar na compreensão do enredo. Tudo feito com consciência para não ficar brega, cafona”, disse Jack, que desde 1998 trabalha com carnaval, mas só a partir de 2004 passou a carnavalesco.

 

Fonte: G1 Globo


Página 1 de 10, mostrando 15 de 146 posts